Paquistão atinge temperatura ‘mais alta do que o corpo humano pode suportar’

0

Na cidade de Jacobabad, no Paquistão, as ruas estão desertas e os moradores estão fazendo o possível para lidar com as temperaturas que podem chegar a 52ºC, afirma o jornal The Telegraph.

Esta cidade paquistanesa na província de Sindh, onde vivem 200 mil pessoas, é conhecida por suas temperaturas extremas. É a sua mistura de calor e umidade que o torna um dos únicos dois lugares do mundo que oficialmente ultrapassa a temperatura superior à que o corpo humano pode suportar.

“Quando fica muito calor, a gente nem consegue ficar em pé”, explica Zamir Alam, um desses moradores, ao jornal britânico.

Segundo o diário britânico, cientistas analisaram dados globais no ano passado e descobriram que Jacobabad e Ras al Khaimah, a nordeste de Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, cruzaram temporariamente esse limite mortal.

Esse marco foi ultrapassado décadas antes das previsões dos modelos de mudança climática e os pesquisadores temem que no futuro essa situação se agrave e afete outras regiões como consequência do aquecimento global.

A equipe analisou o que chama de temperaturas de bulbo úmido, que são obtidas medindo o calor e a umidade com um termômetro coberto com um pano úmido.

Quando essa leitura chega a 35 graus, os cientistas dizem que o corpo humano não consegue mais se resfriar com o suor, de modo que a temperatura pode ser fatal em algumas horas, mesmo entre as pessoas mais saudáveis.

Jacobabad já cruzou esse limite de bulbo úmido de 35 graus em julho de 1987, junho de 2005, junho de 2010 e julho de 2012. E, conforme o The Telegraph, apesar da cidade paquistanesa passar por uma situação semelhante à da cidade dos Emirados Árabes Unidos, a verdade é que ambas têm realidades socioeconômicas muito diferentes.

Nos Emirados Árabes Unidos, não faltam eletricidade e ar condicionado, enquanto nesta cidade do Paquistão muitos sobrevivem com salários muito baixos e enfrentam constantes falhas de energia. “As pessoas sabem que o calor está aumentando, mas são pobres . Eles não podem ir para outro lugar, não podem deixar suas casas ”, disse Zahid Hussain, outro morador.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.